FRESP no facebook FRESP no Instagram FRESP no YouTube

Campos do Jordão

Entre prédios de arquitetura alpina e árvores de plátano nas calçadas, visitantes paramentados com botas, gorros e cachecóis circulam pelo centrinho do Capivari, a porção mais badalada da cidade. De dia, compram chocolates e malhas nas lojas que se enfileiram pelo bairro. À noite, disputam mesas para beber cerveja ou comer fondue. É o típico programa de inverno em Campos do Jordão – por isso, se escolher visitá-la nessa época, espere ver gente, muita gente. Isso sem falar no mais conhecido evento da cidade, o Festival Internacional de Inverno, com o melhor da música erudita. No resto do ano, a cidade fica bem menos povoada, mas se mantém bela e geladinha (a 1 628 m, é o núcleo urbano mais alto do país). Dá para relaxar nas pousadas de charme, curtir a área de lazer dos hotéis e passear admirando o verde que circunda a região

UM DIA PERFEITO

Pela manhã, curta a natureza que cerca a cidade; à tarde, concentre-se no centro turístico, que reúne comércio e restaurantes. Comece pelo Horto florestal com atividades como trilhas e tirolesa. Faça uma parada para o almoço no alemão Harry Pisek, e não deixe de provar as saborosas salsichas artesanais. Depois, siga para o Capivari, bairro mais badalado, com bons endereços para comprar malhas e chocolates. No fim de tarde, sente-se em uma das disputadas mesinhas do Barden barden para tomar cervejas locais. Termine com um jantar no argentino Libertango.

Noite

No inverno, quando a tarde cai, as mesas do Baden Baden são as mais disputadas – quem se cansa de esperar acaba escolhendo algum outro bar do Capivari. Por volta das 20h, promoters aparecem por ali para vender convites de festas alternativas e casas badaladas, como a Disco e o Winter Lounge.

QUANDO IR

Entre Corpus Christi e o fim de julho (época do Festival de Inverno) a cidade vive seu apogeu. Com temperaturas baixas, os hotéis ficam lotados. No resto do ano, a temperatura sobe e as diárias caem – mas alguns restaurantes fecham no começo da semana.

Fonte: Viagem e turismo

 

Voltar